Qual a diferença entre o Business Model Canvas e o Lean Canvas?

Qual a diferença entre o Business Model Canvas e o Lean Canvas?

As ferramentas de modelagem de negócios estão se tornando cada vez mais populares não somente em grandes empresas, mas em startups, pequenos negócios e no desenvolvimento de novos produtos e serviços.

Dentre os modelos de negócios mais famosos e aplicados no mundo todo, estão o Business Model Canvas e o Lean Canvas. O segundo é, na verdade, uma adaptação, uma espécie de releitura do primeiro.

Curso Business Model Canvas

Mas, como o próprio criador do Lean Canvas, Ash Maurya, disse, isso não significa que o Lean Canvas seja “melhor” do que o Business Canvas. Na realidade, são apenas diferentes. O BMC foca no planejamento de um negócio sob o ponto de vista estratégico, enquanto o Lean Canvas se concentra na relação cliente-problema-solução.

Na prática, a diferença entre as duas ferramentas são apenas quatro dos componentes do canvas, que Ash Maurya modificou. Mas essa “pequena” mudança transforma todo o entendimento de seu modelo de negócio. Observe a seguir.

Que componentes foram alterados no Lean Canvas?

business-model-canvas-x-lean-canvas

O propósito de Maurya, ao modificar os componentes do Business Canvas, era transformá-lo em uma ferramenta mais intuitiva, que dispensasse explicações de especialistas. Daquelas que bastava ler os títulos para entender como preencher as caixinhas. Vejamos, primeiro, que blocos foram introduzidos no Lean Canvas:

Problema

A maioria das empresas que fracassa no início de suas operações erra na escolha do produto. Isto é, elas perdem muito tempo dinheiro e energia criando e desenvolvendo um produto que, na verdade, não interessa o seu público.

Para que isso não aconteça, às vezes é mais fácil determinar com é o problema de seu cliente, qual a dificuldade que ele está enfrentando e que precisa de solução. Assim, você conseguirá desenvolver um produto que resolva esse problema e não perderá tempo com o produto errado – e inútil.

Solução

Tendo estabelecido o problema a ser resolvido, é necessário desenvolver a solução para a questão. Se você comparar o espaço do bloco do “Problema” com o da “Solução”, perceberá que o segundo ficou com a metade do espaço do primeiro. Isso é de propósito, para alinhar com a ideia do Produto Viável Mínimo (MVP).

Métricas-chave

O intuito desse componente é fazer com que o empreendedor se concentre nos números mais importantes de seu negócio. Muitas vezes, você pode decidir por uma métrica em especial e praticamente ignorar o restante, porque esta é a base de seu negócio.

O objetivo é, portanto, descobrir quais são essas métricas-chave, para não gastar tempo, dinheiro e energia em atividades ou recursos que não são essenciais e que, mais do que isso, podem mudar num futuro bastante próximo.

Vantagem injusta

A vantagem injusta é aquele fator que diferencia o seu negócio da concorrência, capaz de barrar a entrada ou a expansão de seus concorrentes no mercado. É, em palavras simples, aquilo que não pode ser copiado ou comprado com facilidade.

Com frequência, as novas empresas não têm – ou não conseguem identificar – sua vantagem injusta já de cara, então, esse bloco pode acabar ficando em branco em um primeiro momento. Mas a caixinha está ali para encorajar o empreendedor a seguir buscando e trabalhando para encontrar sua vantagem injusta, de forma a proteger da concorrência, especialmente de novos entrantes.

Bem, para que esses quatro componentes entrassem, outros quatro tiveram de sair. Quais sejam:

Relacionamento com o cliente

Esse componente saiu, porque ele ficou diluído entre os canais, a solução e o segmento de clientes. Você determina a solução, para um problema de um segmento de clientes e mantém um relacionamento com esse segmento, por meio dos canais.

Parcerias principais

Ainda que alguns negócios dependam essencialmente de parcerias, para a grande maioria isso não é verdadeiro. Principalmente para empreendedores iniciantes e desconhecidos, buscar parcerias logo de cara pode ser uma perda de tempo e energia.

Atividades-chave e Recursos principais

Esses blocos servem mais para pessoas de fora entenderem o seu negócio do que para você mesmo fazê-lo funcionar. Além disso, as atividades-chave só serão mesmo descobertas no decorrer da operação, depois que sua solução – seu MVP – já foi testada.

Quanto aos recursos principais, boa parte dos novos negócios, principalmente as startups, não estão mais tão centrados em recursos físicos. Cada vez, é preciso menos recursos para lançar um produto no mercado. Novamente, isso só ficará bem claro com o andamento da operação.

Ferramentas diferentes, objetivos diferentes

business-model-canvas-x-lean-canvas

De maneira simplificada, poderíamos dizer que o Business Canvas é mais apropriado para quem está começando um negócio – principalmente se não for uma startup – do zero. Já o Lean Canvas serve para outras atividades, como iteração, expansão ou criação de startups de inovação, já que ele se foca no problema-solução.

Além disso, enquanto o Business Canvas foi desenvolvido por e para administradores, o Lean Canvas foi pensando para ser acessível a qualquer pessoa, fosse o próprio empreendedor ou qualquer outro membro da equipe. Os blocos foram simplificados com esse propósito.

Por esse mesmo motivo, o Lean Canvas pode ser usado fora da área de marketing e administração, inclusive. Trata-se de uma ferramenta que tem sido usada por engenheiros, designers e até no Ensino Médio.

Outra diferença é que o Lean Canvas foca diretamente no cliente, ao buscar criar valor observando seus problemas que precisam de solução. O Business Canvas, para ser utilizado dessa maneira, necessita ser combinado com o Canvas da Proposta de Valor, e você acaba ficando com duas telas, ao invés de somente uma.

Nesse sentido, o Lean Canvas se torna mais simples do que o Business Canvas. O BMC enfatiza a criação e estruturação de um modelo completo desde o início – por isso é tão indicado para empresas que estão saindo do papel.

Já o Lean Canvas aborda o seu negócio como o próprio produto. Dessa forma, o modelo de negócios não está perfeito ainda. É uma estrutura enxuta, em construção, que pode ser iterada do mesmo modo que você faria com um produto.

As duas ferramentas, portanto, são úteis e eficazes. Não existe uma “melhor” do que a outra. Você deve observar qual o seu objetivo com a modelagem de negócios e escolher a alternativa que você acredita que agregará mais à sua necessidade.

Faça o Curso sobre o Lean Canvas clicando aqui.

Faça o Curso sobre Business Model Canvas clicando aqui.

-18%

Cursos

Crash Course sobre Lean Canvas

R$120 R$99
Curso Business Model Canvas

2 thoughts on “Qual a diferença entre o Business Model Canvas e o Lean Canvas?

  1. Fernando Braz says:

    Faz sentido utilizar os dois no planejamento de uma startup? O BMC para apresentar para parceiros de fora e o LMC para focar no problema e no cliente?

    • Daniel Pereira says:

      Fala Fernando! Excelente dúvida! Sim, você pode usá-los no planejamento de sua startup. De qualquer forma, eu recomendo que você também teste apresentar o Lean Canvas para parceiros. Muitos vão curtir e talvez até opinar e trazer novos insights para ele.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

RECEBA NOVIDADES NO SEU

EMAIL

Quer ficar por dentro das análises dos mais diversos modelos de negócios do planeta? Assine agora e não perca nenhum novo post!