Modelos de Negócios Baseados em Blockchain

Modelos de Negocios Baseados em Blockchain

Modelos de Negócios baseados em Blockchain podem adotar diferentes formatos, mas em essência, sua tecnologia foi criada para promover a descentralização e, portanto, gerar um modelo mais confiável e seguro para relações comerciais entre diferentes partes. Uma evolução do que já conhecemos como Peer-to-Peer (P2P).

Podemos afirmar que o negócio baseado em blockchain mais famoso é o Bitcoin. Bitcoin é uma criptomoeda, que pode não exatamente um negócio em si, mas que é, sem dúvidas, o primeiro spin-off ou prova de conceito da tecnologia de blockchain.

A História, o Hype e o Poder Desintermediação do Blockchain

Desenvolvido por um hacker desconhecido, originado no mundo de cyberpunks, o Bitcoin não era conhecido pelo grande público até 2015, mas as inúmeras possibilidades de desdobramento de sua tecnologia (e a assustadora valorização em 2017) fez explodir a imaginação popular, criando um novo hype no mundo empresarial.

Visionários como Don Tapscott afirmaram: “Nunca vi uma tecnologia que eu pensasse que tivesse maior potencial para a humanidade”. E como ele não foi o único a afirmar isso, executivos ao redor do mundo começaram a se perguntar se esta era uma ameaça ou uma oportunidade que deveriam prestar atenção.

Um grande exemplo da aplicação do bitcoin e de seu poder de desintermediação está na Ucrânia, em 2014, quando o país estava à beira de uma revolução. Os manifestantes em Kiev realizaram sinais para as câmeras de televisão pedindo dinheiro (veja a imagem abaixo). Os sinais possuem um código QR que permitiu que os doadores enviassem bitcoin para o movimento de protesto. Milhares ao redor do mundo apontaram suas câmeras de celular no vídeo na tela e fizeram doações com literalmente três cliques. As transações foram comunicadas em 20 segundos e confirmadas dentro de dez minutos a um centésimo do custo por dólar. E elas eram anônimas: o governo não podia monitorá-los, e os destinatários não sabiam a quem agradecer.

Kiev Bitcoin

Um doador poderia ter feito o mesmo através do sistema bancário, mas isso exigiria informações detalhadas (e politicamente comprometedoras) sobre a conta bancária do destinatário, se ele tivesse um. Também teria custado uma comissão de 10% ou mais, e demoraria três ou quatro dias para completar. O PayPal, é claro, teria sido mais rápido e mais barato, mas foi banido pelo governo ucraniano. Pagar com bitcoin era direto, anônimo e irrevogável.

Como funciona o Bitcoin

O fenômeno que conhecemos como Bitcoin depende de duas tecnologias complementares – tokens digitais e blockchain – que, em conjunto, facilitam a identidade, a propriedade, os contratos e a confiança digitais.

  • Bitcoins são tokens digitais cuja autenticidade pode ser provada porque documentam sua própria ascendência.
  • Um blockchain é um livro em linha que prova que um token não foi gasto duas vezes.
  • Milhares de computadores especializados em manter o Bitcoin, os “mineradores“, formam o seu blockchain. Esses mineradores garantem a integridade de cada novo “bloco” competindo para resolver uma tarefa computacional arbitrária, tornando praticamente insuperável o custo de corromper a cadeia de blocos.

Os avanços tecnológicos mais impactantes das décadas passadas, o computador pessoal (PC) e a internet, tinham algo em comum: eles utilizaram o poder de computação de recursos baratos e largura de banda para fazer algo radicalmente novo. Tokens digitais e blockchain, duas tecnologias distintas mas complementares, usam armazenamento barato para fornecer dados e dar continuidade a ativos do mundo real por meio de redes descentralizadas. O Bitcoin foi apenas a primeira aplicação.

As tecnologias estão longe de estar maduras, mas se as barreiras de escalabilidade e de usabilidade forem superadas, elas terão um potencial disruptivo de longo prazo em redes de transações complexas, como o comércio, a saúde e a internet das coisas. E não esta claro se os intermediários tradicionais poderão controlá-los para sempre.

Por isso, é possível afirmar que as possibilidades do blockchain se estendem muito além dos serviços financeiros, fornecem documentação de supply-chain, registros imobiliários, dados de saúde, micro-transações, contratos inteligentes e etc. entre bilhões de dispositivos inteligentes em todo o mundo.

A tecnologia é potencialmente perigosa para todos os intermediários virtuais (praticamente todas grandes startups e empresas de tecnologia). Mas a sua ameaça é proporcional ao custo, complexidade e controle de transações no atual sistema de intermediação.

Status Quo Corporativo

Acontece que o ecossistema do blockchain já está dominado por empresas tradicionais, instituições financeiras e startups fintech (com massivas quantidade de capital de risco) que buscam alavancar a tecnologia para reduzir os custos operacionais, colher lucros e construir novos impérios monopolistas.

Um consórcio de mais de 80 das maiores instituições bancárias e financeiras mundiais uniu forças para construir uma plataforma privada de blocos financeiros totalmente sob seu controle. Empresas Fortune 500 estão formando uma aliança empresarial para alavancar a Ethereum para manter seu dever fiduciário e maximizar lucros para os acionistas. Os bancos centrais na China, na Rússia, no Canadá, na Dinamarca, na Inglaterra e em Singapura já estão explorando ou desenvolvendo formas de emitir criptomoedas soberanas, mantendo o controle total.

No encontro Sydney Ethereum em 2014, o empreendedor Nathan Waters presenciou em primeira mão a dramática mudança demográfica dos participantes de desenvolvedores anarquistas para executivos corporativos que usavam ternos. Os encontros Ethereum estão rapidamente se tornando uma espécie de clubes de investimento e servindo de fonte de recrutamento de profissionais especialistas para se tornarem executivos corporativos.

Modelos de Negócios na Era da Informação

Na era da informação de hoje, os principais modelos de negócios se resumem essencialmente a um simples processo de três passos:

  1. Capture, monopolize e privatize dados
  2. Crie escassez artificial restringindo o acesso
  3. Reembolse e venda esses dados de várias maneiras

O Google e o Facebook ganham com a captura de dados de usuários, monopolizando e restringindo o acesso, em seguida, reembalando e vendendo esses dados sob a forma de um serviço de publicidade direcionada. Este é fundamentalmente a mesma base dos modelos de negócios de qualquer empresa com um banco de dados. Se você analisar com calma, Uber, Airbnb e outros grandes players da internet fazem exatamente a mesma coisa.

À medida que entramos mais profundamente na era dos grandes conjuntos de dados utilizados para treinar a inteligência artificial e os algoritmos de machine learning, a monopolização dos dados apresentará tremendas vantagens competitivas e resultará em uma maior centralização e consolidação de riqueza e poder.

A razão pela qual as corporações estão perseguindo com entusiasmo a tecnologia de um “blockchain privado” é precisamente devido ao potencial para:

  • Automatizar operações comerciais
  • Reduzir os custos trabalhistas humanos
  • Monopolizar ainda mais dados e fatia de mercado
  • Aumentar os lucros para os acionistas

Dada essa tendência de aumento do interesse das empresas e de bancos centrais na tecnologia blockchain, é inevitável que a primeira adoção mainstream do blockchain seja impulsionada principalmente pelo status quo existente.

O cidadão comum já usa em parte essa tecnologia que lida com a virtualização das moedas (afinal nosso dinheiro já é muito mais virtual do que real). Por exemplo, quando você abre uma conta bancária hoje, o caixa não explica toda o conjunto de tecnologias utilizada pelo banco e como as transações subjacentes são processadas. E no futuro próximo, esse mesmo banco não explicará como seu dinheiro será criptografado e operado em um blockchain bancário privado. A maioria não saberá, nem se importará.

Em resumo, em alguns anos, o cidadão comum interagirá confortavelmente com contratos inteligentes e aplicativos descentralizados (dapps) sem saber disso.

Por quê? Bem, os bancos e as empresas têm um incentivo econômico para alavancar a tecnologia para reduzir os custos operacionais, automatizando e descentralizando suas operações. Dapps, contratos inteligentes e DAOs (organizações autônomas descentralizadas) têm o potencial de reduzir os custos de infraestrutura, trabalho e operação de todas as empresas para perto de zero.

A ironia, é claro, é que essas empresas estão investindo no desenvolvimento de tecnologias que representam uma ameaça existencial a elas mesmas. Uma vez que eles descentralizaram seus backends inteiros, tudo o que permanecerá é sua marca, uma interface de usuário e um requisito fiduciário para oferecer lucros aos acionistas.

Talvez seja suficiente para que os clientes continuem pagando pelos seus serviços. Ou talvez os clientes mudem para um equivalente DAO público com zero objetivo de lucro, que oferece o mesmo (ou melhor) serviço com taxas muito mais baixas (ou até mesmo inexistentes).

Nesse sentido, a tecnologia blockchain é um cavalo de troia criptografado.

Sonhando com um Blockchain Público

As empresas e os bancos estão buscando blockchains privados porque podem controlar os dados e manter o código-fonte fechado e proprietário. Esta estratégia definitivamente funcionará a seu favor por algum tempo, mas, em última análise, a informação quer ser gratuita. Os efeitos de rede de um protocolo aberto, baseado em blockchains públicos, inevitavelmente, superarão qualquer sistema privado.

A mentalidade corporativa de hoje está condicionada a pensar dentro dos limites da escassez e dos modelos de controle de propriedade. Isso os torna um alvo fácil de derrubar.

Se você é um portal de listagem de imóveis ou empresa de dados de propriedades, provavelmente criará um blockchain privado para armazenar dados e executar dapps de fontes fechadas. Você criará recursos extravagantes que permitem que agentes imobiliários, advogados, compradores e vendedores interajam e transacionem (por uma taxa premium). Em seguida, você formará consórcios com outros players do setor para desenvolver novos blockchains para gerenciar coisas como títulos de propriedade imobiliária.

Enquanto isso, um codificador solitário desenvolve um blockchain público que armazena todos os dados de propriedade global com acesso completamente gratuito e universal. Ele também desenvolve contratos inteligentes opensource que permitem que compradores / vendedores transitem de forma segura e transfiram títulos de propriedade com um único clique. Isso corre perfeitamente como codificado, sempre. Qualquer pessoa com conexão à internet pode acessar e usar o protocolo livremente, sem se registrar ou pedir permissão.

Os modelos de negócios que operam na escassez artificial simplesmente não podem existir ao lado de uma realidade de blockchains públicos. Mesmo que um grupo tentasse implantar um protocolo com fins lucrativos usando um blockchain público, o código por padrão é opensource e, portanto, é trivial copiar o código, diminuir a taxa e, em seguida, redistribuí-lo.

Os blockchains públicos são de propriedade de ninguém e de todos ao mesmo tempo, sem um controlador e que nunca poderão ser desligados. Contratos inteligentes podem ser de ninguém, controlados por ninguém, e serem executados como codificados, sempre.

O resultado é um bloco de bens comuns – um recurso comum universal que torna os modelos de negócios do velho mundo obsoletos e cria um novo paradigma fundamental de criação de valor para toda a humanidade.

Mas acontece que o mundo ainda depende do dinheiro para funcionar, seja ele uma moeda oficial de um país ou uma criptomoeda, todos precisam de um bem com valor monetário para trocar por algo que oferecem ou que precisam ou desejam consumir. Portanto, a grande pergunta é: seria essa visão de blockchains públicos e uma sociedade totalmente desintermediada possível?

Um Novo Modelo de Criação de Valor

Na opinião de Nathan Waters, “se você quiser mudar o mundo usando o blockchain, crie um protocolo aberto, não apenas outra startup”. Durante os primeiros dias da internet, haviam vários grupos competindo para construir protocolos de comunicação abertos. Enquanto a maioria desapareceu, os que conseguiram viver são agora os protocolos que alimentam a internet atual: TCP / IP, DNS, HTTP etc.

Esses protocolos são gratuitos e universais, resultando em tudo o que passamos a amar na Internet. O ecossistema do blockchain é, hoje, exatamente como os primeiros dias de desenvolvimento da internet. Milhares de projetos estão competindo para desenvolver os protocolos padrão para uma série de aplicações, incluindo:

  • Armazenamento na nuvem descentralizado
  • Leis descentralizadas
  • Mensagens descentralizadas
  • Governança descentralizada
  • Seguros descentralizados
  • Finanças descentralizadas
  • Imobiliário descentralizado

Uma vez que esses protocolos estrem em vigor, a chave para criar valor será imaginar um futuro em que todos os dados sejam gratuitos, públicos e universais; onde riqueza, poder e computação são recursos comuns distribuídos entre todos participantes.

Desejo acreditar que cada indústria e sistema em nossa sociedade global convergirá para protocolos únicos baseados em blockchains públicos.

Em vez de dez mil seguradoras, cada uma com suas próprias funções comerciais, teremos um protocolo universal de seguro descentralizado onde todos seremos co-participantes nos riscos e nos lucros, reduzindo drasticamente os risco e os custos para segurar algum bem.

Em vez de mil redes sociais, cada uma com seus próprios dados de usuário e rede de amigos, teremos um protocolo de gráfico social descentralizado universal onde não teremos que lidar com manipulações do nosso feed de notícias nem ter que conviver com pesada publicidade.

De uma perspectiva de modelo de negócio, será uma mudança da escassez para a abundância. A barreira de entrada de novos concorrentes será zero, já que todos os dados são gratuitos e universalmente acessíveis. Os custos de troca de usuário serão zero, já que eles podem transferir instantaneamente seus dados para outros serviços sem atraso na configuração.

Os produtos e serviços que se concentram em maximizar as experiências positivas do usuário e oferecer personalização completa e preditiva serão bem-sucedidos. Lucros e métricas de crescimento do usuário serão redundantes; o que importará é a satisfação do usuário final.

Organizações que aproveitarem a inteligência artificial e a complexidade emergente poderão desenvolver ciclos de feedback precisos entre seus produtos / serviços e seus usuários. Isso permitirá uma evolução de produtos extraordinariamente rápida e autônoma emparelhada com testes A / B avançados para acompanhar o ritmo de dezenas de interações e aprendizados por minuto.

Em tal realidade, fica cada vez mais claro que o poder muda drasticamente para o usuário individual; a escolha das pessoas realmente determinará o resultado do todo. Produtos, serviços e entidades que proporcionam benefícios sociais como renda básica universal descentralizada, assistência médica universal descentralizada e moradia descentralizada se tornarão escolhas populares e darão origem ao movimento de descentralização social, incluindo projetos como o peerismo.

A visão é linda, mas a ponte para essa realidade ainda possui inúmeras barreiras a serem superadas. Enquanto um fluxo livre de serviços P2P possibilitados pelo blockchain não existir e assumindo que nem tudo será possível transportar para o meio digital, nossa dependência de dinheiro existirá e precisaremos ganhar dinheiro de alguma forma. A questão que fica é: como e em que velocidade essa transição ocorrerá?

Captura de Valor em Modelos de Negócios baseados em Blockchain

Segundo Alex Osterwalder, Modelos de Negócios existem para criar e capturar valor. Entendemos a criação de valor como o benefício entregue por meio de um produto ou serviço, e a captura de valor como o quanto de dinheiro a empresa consegue ganhar com isso.

Como Felipe Gaúcho destaca bem neste seu artigo que analisa captura de valor em negócios baseados em tokens e blockchain, nem sempre existe uma relação direta e proporcional entre criação e captura de valor. Por exemplo, na indústria de cinema (aka: Hollywood) a criação do valor esta praticamente toda nos estúdios de filmagem, mas a maior parte do dinheiro fica com as empresas distribuídoras.

Mas vou além: a captura de valor no mundo da tecnologia muitas vezes não provém do bloco de fontes de receita (ou da diferença entre receitas e despesas), muito menos do modelo tradicional de lucratividade e/ou fluxo de caixa descontado. As empresas de tecnologia adotaram um modelo de uso intensivo de capital de risco para sustentar crescimento acelerado com fluxo de caixa negativo, em troca de agressiva conquista de marketshare de usuários (pagantes ou não) capaz de justificar um alto valor de mercado de suas empresas (valuation) e então gerar retorno aos acionistas via aquisições ou abertura de capital em bolsa (IPO).

No mundo dos negócios de blockchain, essa captura de valor seguiu um caminho semelhante, mas misturando o modelo de crowdfunding com um IPO tradicional para criar o ICO (Initial Coin Offering).

Através dela, startups que operam com modelos baseados em blockchain lançam seus próprios tokens/moedas para levantar capital sem abrir mão de sociedade na empresa (ou seja, sem diluição) prometendo uma potencial valorização da sua moeda com o sucesso de seu produto/tecnologia. O grande hype de valorização do Bitcoin e de alguns ICOs tornou essa a nova corrida do ouro para muitas pessoas ao redor do mundo, facilitando a captação de quem funda startups nesse meio.

Não vou entrar em detalhes aqui sobre isso. Vou destacar novamente o artigo do Felipe Gaúcho sobre a imaturidade desse modelo. Vale muito a pena a leitura.

Mas considerando que um ICO também só é viável se a empresa possui um modelo de receitas tradicional definido, vamos entender algumas formas em que esses modelos de negócios baseados em blockchain pretendem gerar receitas.

Como os modelos de negócios baseados em  blockchain ganham dinheiro?

A maioria dos negócios do Blockchain ganha dinheiro em uma ou mais das seguintes maneiras:

  • Software como serviço – Empresas como o Tierion e o Blockcypher cobram uma taxa por usar sua API e infra-estrutura. Veja o modelo canvas do SaaS aqui.
  • Serviços profissionais – Algumas empresas criam projetos personalizados para clientes empresariais. Muitas empresas existentes possuem áreas de blockchain. Exemplos: IBM, Deloitte e Gem. Veja o modelo canvas de Produtos Servitizados aqui.
  • Taxas fixas e taxas de transação – Algumas empresas criam e mantêm redes entre um consórcio de parceiros. Eles ganham dinheiro cobrando uma taxa de inscrição ou uma taxa de transação na atividade na rede. Muitas vezes, são parte integrante da rede. Exemplos: Chain, R3Cev. Veja o modelo de plataformas multilaterais aqui.
  • Acordos de nível de serviço – Algumas empresas criam plataformas e infraestrutura host para clientes corporativos. Eles oferecem um SLA para tempo de atividade e manutenção. Exemplos: Bloq, Microsoft.
  • Especulação Cryptocurrency – Algumas empresas blockchain emitem seu próprio token ou o gerenciamento detém grandes quantidades de uma criptografia como Ethereum. Essas empresas funcionam o que aumenta o valor de mercado do seu token. Eles então vendem o token aos especuladores. Exemplos: Factom, ConsenSys, Lisk. Veja o modelo canvas da Taylor aqui.

Blockchain enquanto Estratégia

Existem cinco princípios gerais que moldarão a estratégia para tecnologias de token e blockchain.

  1. A Estratégia de Blockchain é mais sobre colaboração do que competição
    A princípio, não parece fazer muito sentido investir recursos no desenvolvimento de tokens digitais e blockchain quando a maioria das relações comerciais já funcionam bem e de forma confiável dentro das tecnologias existentes. O que quero dizer com isso é que a oportunidade de implementação do blockchain só será vantajosa quando a maioria dos players o adotarem e não casos isolados. Empresas em todo o mundo estão começando a desenvolver seus projetos próprios, mas talvez levem uma década para chegar a sua maturidade. Só o tempo dirá se os ganhos de crescimento e eficiência valem o risco de serem, pelo menos parcialmente, comoditizados por uma nova plataforma de transação dominante e, se não, se eles podem atuar de acordo (como os bancos estão tentando fazer) para proteger sua autonomia.
  2. Tanto organização quanto tecnologia determinarão a vantagem relativa do blockchain
    Um conflito central nos próximos anos será entre blockchains privados e blockchains públicos. Oligopólio versus democracia, como alguns temiam. Em muitas indústrias de intermediadores, como os serviços financeiros, os grandes players já estão adotando a tecnologia entre si. Mas ainda é uma questão grande e aberta se isso será suficiente para eles se protegerem. Os blockchains públicos, caso se tornem realidade, gozarão de uma vantagem em escala: possuirão mais blocos, mais nós e uma validação mais rigorosa. Por design, eles podem adicionar participantes menos limitados pela diminuição da confiança periférica. Mas os blockchains privados têm uma vantagem na adoção inicial em relação aos blockchains públicos: Eles precisam de menos participantes e podem dispensar recursos não-escaláveis, como provas de conceito. Então, se e quando o status quo será rompido depende menos do ritmo absoluto do avanço tecnológico do que do ritmo relativo no qual as implementações de blockchains privados e públicos avançam. E isso é em grande parte dependente da organização de seus participantes. Enquanto os consórcios da indústria precisam trabalhar juntos ao mesmo tempo em que seus membros são concorrentes entre si, as comunidades abertas precisam manter um objetivo comum quando os indivíduos participantes têm ideologias tão diversas e estão constantemente querendo fazer um novo fork (resultantes de conflitos de suas visões). É preciso entender os dois mundo (blockchains privados e públicos) intimamente para acompanhar qual será a mão vencedora.
  3. O governo ainda é um coringa
    Por enquanto, o atual clima regulatório é surpreendentemente favorável. O Bitcoin é legal na maioria dos países, regulamentado como um bem (ou mercadoria), mas não como um instrumento financeiro. O foco principal da regulação é o topo cadeia (onde a tecnologia exerce o papel de moeda financeira e seus derivados como câmbio, transferência de dinheiro e lucro acontecem) em vez da parte inferior que sustenta sua operação (os blockchains). A verdade é que, se usados corretamente, os blockchains podem facilitar os objetivos regulatórios: reduzem o risco de contrapartida, podem atender as regras de identidade e coibir práticas de lavagem de dinheiro. Mas é claro que o clima regulatório pode mudar de forma repentina, especialmente diante das vulnerabilidades de segurança ainda existentes. Além disso, os próprios governos poderiam impulsionar aplicações transformadoras do uso de blockchains para identificação dos seus cidadãos, saúde e moeda digital. Eles têm o incentivo e a massa crítica necessários. Muitos formuladores de políticas consideram esse tipo de tecnologia como o catalisador para o estímulo econômico mais amplo, a criação de emprego e a vantagem competitiva nacional. Alguns países são mais propensos a pensar dessa maneira do que outros, a exemplo da Estônia versus o Brasil, respectivamente.
  4. Resultados financeiros são duvidosos
    Já existem murmúrios em algumas salas de reuniões de que o ROI nestas tecnologias não é tão impressionante (pelo menos, por enquanto). Para evitar que a tecnologia se perca, os executivos têm que acreditar que essa inovação abrirá novos mercados ou que é uma resposta necessária para uma ameaça perturbadora que ela mesma exerce sobre suas empresas. Caso contrário, é fácil imaginar o blockchain sendo enterrado aos poucos pelas grandes coalizões industriais. É preciso provar que o blockchain é capaz de trazer resultados financeiros e/ou capaz de criar uma desintermediação tão poderosa que irá transferir lucro dos governos e empresas para os usuários e assim, incentivar mais blockchains públicos e unir diferentes ideologias em prol de um objetivo comum.
  5. A incerteza extrema é o novo normal
    Só é necessário um aplicativo realmente atraente e de base ampla (aka um aplicativo matador) para impulsionar a adoção generalizada e gerar infraestrutura, produtos e serviços complementares. E tudo o se sabe até agora é esse aplicativo matador não é o bitcoin, nem nenhuma outra criptomoeda. Por outro lado, alguns hackers podem encontrar uma falha de segurança irreparável: o que pode não ser suficiente para deter entusiastas, talvez, mas suficiente para assustar os reguladores. Ou a escalabilidade pode ser um problema insuperável. A verdade é que ninguém sabe.

Ajudando você a enquadrar as perguntas certas:

  • Quais os aspectos da minha organização são vulneráveis ​​à desintermediação e quão provável é que isso aconteça?
  • Onde é provável que isso aconteça? Como eu preciso repensar e remodelar meu negócio existente – antes que outros o façam por mim?
  • Onde posso tirar proveito da continuidade digital gerada por blockchains para construir novas ofertas e modelos de negócios?
  • Onde as soluções baseadas em blocos são vantajosas, devo ir sozinho ou colaborar para uma escala decisiva?
Fontes:
https://www.bcg.com/blockchain/thinking-outside-the-blocks.html
https://medium.com/peerism/blockchain-commons-the-end-of-all-corporate-business-models-3178998148ba
https://medium.com/fluree/blockchain-for-2018-and-beyond-a-growing-list-of-blockchain-use-cases-37db7c19fb99
https://medium.com/paratii/on-the-immaturity-of-tokenized-value-capture-mechanisms-1fde33f2bc8e
Resumo
Modelos de Negócios Baseados em Blockchain
Nome do Artigo
Modelos de Negócios Baseados em Blockchain
Descrição
Modelos de Negócios baseados em Blockchain podem adotar diferentes formatos, mas em essência, sua tecnologia foi criada para promover a descentralização e, portanto, gerar um modelo mais confiável e seguro para relações comerciais entre diferentes partes. Uma evolução do que já conhecemos como Peer-to-Peer (P2P).
Autor
Nome do editor
O Analista de Modelos de Negócios
Logo

2 thoughts on “Modelos de Negócios Baseados em Blockchain

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

RECEBA NOVIDADES NO SEU

EMAIL

Quer ficar por dentro das análises dos mais diversos modelos de negócios do planeta? Assine agora e não perca nenhum novo post!