Canais de Distribuição

Canais de Distribuição - Business Model Canvas

Ao projetar seu Modelo de Negócios, seu primeiro passo será definir os Segmentos de Clientes e, em seguida, as Propostas de Valor condizentes com esse público-alvo. Finalizada essa etapa, está na hora de estabelecer os Canais de Distribuição, ou seja, os meios pelos quais a empresa entregará sua(s) proposta(s) de valor para cada segmento de clientes.

Os canais serão, portanto, a maneira escolhida pela organização para alcançar e se comunicar com seus consumidores. Trata-se, em resumo, da interface entre a empresa e o público.

Curso Business Model Canvas

Encontrar os canais certos de distribuição para chegar até os clientes é preponderante para que sua proposta de valor possa chegar ao mercado. Mas, afinal, para que serve esse bloco?

Definição e importância dos canais de distribuição

Os canais de distribuição estabelecem como uma organização se comunica com seus segmentos de clientes pré-identificados e são o caminho para entregar as propostas de valor que tem para ofertar. São, portanto, ponto essencial na experiência do cliente.

Os canais podem ser os mais variados e, frequentemente, utilizam-se canais diferentes para segmentos de clientes distintos. Se antes da década de 1990 os canais de limitavam às lojas que vendiam os produtos, hoje, com o advento da internet, a realidade é bem mais promissora.

Como ponto de contato entre empresa e público, os canais servem a diversas funções, as quais incluem:

  • Ampliação do conhecimento sobre produtos e serviços oferecidos pela empresa por parte da clientela;
  • Entrega da(s) proposta(s) de valor desenvolvidas pela companhia.
  • Auxílio aos clientes na avaliação da(s) proposta(s) de valor entregue(s) pela empresa;
  • Aquisição de produtos e serviços específicos pelos consumidores;
  • Suporte após a compra efetuada.

Canais de Distribuição - Business Model Canvas

Fases do canal de distribuição

  1. Conscientização: é a etapa da publicidade, quando o cliente fica sabendo sobre a sua proposta de valor.
  2. Avaliação: é o momento em que o cliente irá avaliar seu produto, lendo a respeito, olhando, testando. É quando ele formará uma opinião sobre a proposta de valor, para verificar se opta por você ou pela concorrência.
  3. Compra: envolve o processo de compra e venda propriamente dito.
  4. Entrega: trata-se do atendimento, de como o produto chega no cliente.
  5. Pós-venda: é o suporte oferecido após a aquisição do produto ou serviço. É a fase que fideliza o cliente e cria “defensores” de sua marca.

Tipos de canais de distribuição

A organização pode buscar seus clientes por meio de canais particulares, em parceria ou ambos.

Os canais particulares dividem-se em diretos, quando o fabricante vende diretamente para o consumidor (equipe de vendas própria ou um site, por exemplo, modelo conhecido como D2C) e indiretos, como lojas de revenda da marca.

Os canais em parceria são aqueles que incluem terceiros que atuam em conjunto, como distribuidoras, representantes e sites de outrem.

Observe alguns exemplos de canais de distribuição particulares:

  • Venda pessoal: bastante conveniente para o cliente, porque oferece demonstração pessoal e entrega em domicílio. Envolve um custo baixo e cria um relacionamento forte com o consumidor, garantindo margens interessantes.
    No entanto, fica inviável para grandes organizações, porque limita o alcance, a menos que envolve custos exorbitantes.
  • Internet: é a alternativa para a venda pessoal, já que também representa um custo baixo, mas é capaz de atingir uma ampla base de clientes.
    As conveniências são semelhantes à venda pessoal: acesso imediato, facilidade de uso e até mesmo customização. Além disso, está disponível 24 horas por dia, 7 dias por semana. Por fim, ainda oferece a possibilidade de feedback do consumidor.
    Por outro lado, trata-se de um canal impessoal, sem contato humano. Nesse caso, o pós-venda pode sair prejudicado, reduzindo a chance de fidelização e vínculo com o cliente.
  • Telefone: outra maneira barata de fazer contato direto com o cliente e uma forma eficaz de alcançar consumidores em área remotas. Entretanto, o telemarketing tem-se transformado em uma ferramenta malvista, considerada intrusiva e perturbadora.
  • Correio tradicional e eletrônico: barato e facilmente personalizável de acordo com cada segmento de clientes. Cria uma imagem da marca e comunica inovações e novidades.
    No entanto, é bem comum que os usuários deletem os e-mails ou joguem fora o material impresso antes de examinarem seu conteúdo. Por isso, o ROI acaba bastante baixo.

Canais de Distribuição - Business Model Canvas

Já a distribuição indireta ou em parceria costuma ser realizada por meio de varejistas, agentes, corretores, representantes e distribuidores. Observe:

  • Varejistas: possuem infraestruturas já estabelecidas, seja através de lojas ou páginas da web, com forte estratégia de marketing, que podem reforçar a sua publicidade. Também oferecem suporte e pós-venda ao consumidor. Entretanto, incluem margens menores e perda de controle sobre o relacionamento com o cliente.
  • Representantes: agentes, corretores e representantes em geral estabelecem bons relacionamentos pessoas com a clientela. Possuem uma ampla rede de atuação, com baixo custo, e se responsabilizam pela divulgação do produto.
    Mas um mesmo representante pode vender marcas concorrentes, diminuindo o controle sobre a sua imagem e relacionamento com o público. Além disso, trata-se de um canal bastante sensível à variação de preços.
  • Distribuidores: possuem uma base de clientes ampla e focada, assumem o risco de estoque e são treinados tecnicamente. No entanto, também trabalham com marcas concorrentes, têm influência sobre o preço final do produto você mais uma vez não tem controle sobre o relacionamento com o cliente. Por fim, também envolvem um investimento adicional.

Para selecionar um canal de distribuição, observe os 5 elementos a seguir:

  • A quantidade de segmentos de clientes pré-definida e/ou o tamanho do mercado a ser segmentado;
  • A relação custo-benefício oferecida pelo canal de distribuição (investimento X rentabilidade);
  • A padronização ou não do produto – um produto standard pode ser vendido por canais externos porque alcançam mais de um segmento de clientes, mas um produto que exige customização demanda contato direto com o cliente;
  • O controle requerido sobre um canal – como no caso de um distribuidor que também tem apelo para a concorrência, por exemplo.
  • O tempo que levará para que se estabeleça um bom relacionamento com o canal de distribuição, bem como a duração e “prazo de validade” dessa relação.

Em resumo, a desvantagem dos canais de parceria é que eles costumam trazer lucros menores. No entanto, permitem uma expansão mais rápida e um alcance ampliado. Os canais particulares, por sua vez, oferecem lucros maiores, mas também demandam maior investimento inicial, de tempo e capital.

O segredo é, portanto, equilibrar os diferentes tipos de canais, para melhorar a experiência do clientes e garantir maior retorno em vendas. Escolhidos os canais de distribuição, será chegada a hora de passar para o bloco seguinte, o de Relacionamento com o Cliente.

Curso Business Model Canvas

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

RECEBA NOVIDADES NO SEU

EMAIL

Quer ficar por dentro das análises dos mais diversos modelos de negócios do planeta? Assine agora e não perca nenhum novo post!